Tratamento Natural para Dores Articulares

 
CANELA DE VELHO
 
Nome científico: Miconia albicans. Sinonímia Científica: Melastoma albicans. Nome popular: Canela de velho.
Família: Melastomataceae.
Parte Utilizada: Folhas.
Composição Química: Flavonoides, compostos triterpênicos (ácido ursólico e ácido oleanólico).
Formula molecular: N/A Peso molecular: N/A
 
Miconia albicans é uma planta arbustiva com até 2,5 m de altura. A floração ocorre entre os meses de setembro e novembro, com picos coincidentes com os períodos chuvosos. A frutificação se dá entre novembro e março, sendo a dispersão dos frutos realizada por roedores e formigas. Ocorre desde o sul do México e Antilhas até o Paraguai, distribuindo-se por quase todos os Estados brasileiros, de Roraima e Amazonas ao Paraná. É espécie característica de cerrados e savanas, mas também é encontrada em vegetação litorânea.
 
Indicações e Ação Farmacológica
 
 
O flavonoide, substância conhecida e valorizada por ser um poderoso antioxidante capaz de reduzir os radicais livres que causam danos à saúde, foi encontrado por pesquisadores do Departamento de Ciências Biológicas da UNESP de Bauru na
 
 
 
Miconia albicans. Também presente em alimentos como as frutas vermelhas e até mesmo no vinho, uma das principais funções dos flavonoides é prevenir ou retardar o desenvolvimento de alguns tipos de câncer. “Também testada em um Instituto de Química de Araraquara, a Miconia mostrou ter propriedades antimutagênicas, ou seja, a planta é capaz de proteger as células contra danos no DNA, o que previne doenças como o câncer e má formação no desenvolvimento do organismo”, destaca Anne Lígia Dokkedal Bosqueiro, pesquisadora e professora do Departamento de Ciências Biológicas da Unesp de Bauru.
Outros trabalhos acadêmicos atestam a ação medicinal desta planta, com a tese de doutorado defendida na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto sobre os ácidos triterpênicos ursólico e oleanólico, as duas substâncias naturais com potencial biológico da Miconia albicans. Ácido ursólico e seu isômero, ácido oleanólico, são amplamente distribuídos no reino vegetal e têm sido frequentemente isolados como mistura isomérica. Durante a última década muitos artigos foram publicados, refletindo o grande interesse e progresso no entendimento destes triterpenoides. Isso inclui o isolamento e purificação de várias plantas, modificações químicas, pesquisas farmacológicas e estudos toxicológicos. Dentre as inúmeras atividades biológicas atribuídas a esses triterpenos tem-se a analgésica, anti- inflamatória e antioxidante, atribuindo sua aplicabilidade principalmente nos casos de artrite, artrose e dores musculares.
 
Toxicidade/Contraindicações
 
 
Não existem efeitos colaterais nem contraindicações confirmadas até então. Porém, deve-se controlar o uso das folhas na forma de chá, pois existem riscos de intoxicação consequente ao uso de doses exageradas.
 
 
Dosagem e Modo de Usar
 
 
Rasura: Infusão ou Decocção: 1 a 2 colheres de sopa em 200 mL de água. Beber de 3 a 5 xícaras por dia.
Extrato seco: 500mg, duas vezes ao dia.
 

Localização
Al. Dr. Octávio Pinheiro Brisolla 11-29
Vila Universitária - CEP 17012-191
Bauru/SP

Responsáveis Técnicas
Luciana M. Maciel Trevizani - CRF 15.062
Pamella B. Watanabe Vilani - CRF 59.751